Compreender o Cancro da Mama

Rastreio de detecção

Deve falar com o médico acerca do seu risco pessoal para ter cancro de mama; deve colocar questões acerca de quando começar e com que frequência deve fazer exames para despiste da doença. Estas decisões, tal como muitas outras, devem ser estabelecidas individualmente para cada pessoa.

O seu médico poderá fazer perguntas acerca do seu historial médico pessoal e familiar. Poderá ainda sugerir a realização de exames de rastreio do cancro da mama:

  • Auto-exame da mama

  • Mamografia de rastreio

  • Exame clínico da mama

Não é demais lembrar a importância de efectuar exames de rastreio, mesmo antes de surgirem quaisquer sinais ou sintomas. Só assim poderá ajudar os médicos a detectar e tratar precocemente o cancro, aumentando assim a probabilidade do tratamento ser eficaz e bem sucedido.

1.5.1 – Auto-exame da mama

O auto-exame da mama deverá ser feito a partir dos 20 anos, mensalmente, para avaliar quaisquer alterações nas mamas. É importante lembrar que as mamas são diferentes, de mulher para mulher, e que podem surgir alterações, devidas à idade, ao ciclo menstrual, gravidez, menopausa, ou à toma de pílulas anticoncepcionais, ou outras hormonas. É normal sentir que as mamas são um pouco irregulares, e não lisas. Também é comum que as mamas se apresentem inchadas e sensíveis, no período antes da menstruação.

Se notar algo não usual, durante o auto-exame da mama ou em qualquer outra altura, deve sempre contactar o médico, logo que possível.

A melhor altura para realizar o auto-exame da mama é aproximadamente uma semana depois da menstruação (no fim do período menstrual). Se não tem uma menstruação regular, deverá realizar, preferencialmente, o auto-exame sempre no mesmo dia de cada mês.

Para realizar o auto-exame de forma correcta, deverá colocar-se de pé, em frente a um espelho, com os braços caídos ao longo do corpo. É importante estar relaxada e certificar-se de que pode fazer o auto-exame calmamente, sem interrupções.

  1. Compare as duas mamas, tendo em atenção a forma e o tamanho. Não é invulgar que uma mama seja maior que a outra. Verifique se as mamas apresentam nódulos ou saliências; observe se houve alguma mudança no tamanho ou aspecto das mamas (como sejam a formação de rugas ou pregas, depressões ou descamação da pele). Verifique se os mamilos estão normais (ou, pelo contrário, se estão retraídos ou escondidos). No mamilo, tente detectar a possível presença de nódulos, o aparecimento de algum tipo de secreção ou perda de líquido. Observe as mesmas características mas, agora, com os braços em diferentes posições.

  2. Levante o braço esquerdo. Examine a mama esquerda com a mão direita, pressionando com a ponta dos dedos. Palpe a mama esquerda, de forma minuciosa e calma. Comece pela extremidade exterior, realizando movimentos circulares. Palpe toda a mama. Examine, também, a área próxima da axila, passando pela clavícula, bem como a zona abaixo da mama.

  3. Pressione, suavemente, o mamilo e verifique se existe algum tipo de secreção ou perda de líquido.

  4. Repita os passos 2 e 3 mas, agora, na mama direita.

  5. Repita os passos 2 e 3 nas duas mamas, deitada. Deve deitar-se de costas, com o braço sobre a cabeça e colocando uma almofada (ou uma toalha dobrada) sob o ombro do lado da mama que vai examinar. Esta posição é favorável a um bom exame da mama.

É importante, lembrar que o auto-exame da mama não substitui a mamografia regular de rastreio.

1.5.2 – Mamografia

Uma mamografia é uma imagem de raio-X dos tecidos no interior da mama. A mamografia pode detectar um nódulo (ou caroço) no peito, antes deste poder ser sentido através da palpação. Pode ainda detectar a presença de microcalcificações (agregação de pequenas partículas de cálcio). A presença de nódulos ou destas calcificações pode ser um sinal de cancro ou de outras condições clínicas. O médico analisará cada situação individualmente, antes de decidir o próximo passo.

Recomenda-se que, mesmo na ausência de quaisquer sintomas, as mulheres façam mamografias regularmente, para a detecção precoce do cancro da mama:

  • Mulheres com 40 anos ou mais, devem fazer uma mamografia anualmente ou em cada dois anos.

  • Mulheres com menos de 40 anos, mas que apresentem um risco aumentado de ter cancro da mama, devem falar com o seu médico acerca de fazer uma mamografia e saber qual a frequência com que devem fazer este exame.

A mamografia é a melhor "ferramenta" de que os médicos dispõem para descobrir o cancro numa fase precoce. No entanto, saiba que:

  • A mamografia pode não detectar alguns cancros que estejam já presentes: são os chamados "falsos negativos".

  • A mamografia pode detectar uma anomalia na mama que, mais tarde, se verifique não ser um cancro: são os chamados "falsos positivos".

  • Alguns tumores, de crescimento rápido, podem já se ter metastizado para outras partes do corpo, antes que a mamografia os tenha detectado.

  • A mamografia é uma das melhores técnicas de detecção do cancro da mama. No entanto, cerca de 10-20% dos tumores não são detectáveis por esta técnica.

Considerando as limitações da mamografia, outras técnicas de detecção, tais como o exame clínico da mama e a ecografia (ultrasonografia), podem ser utilizadas como formas complementares de rastreio.

1.5.3 – Exame Clínico da Mama

O exame clínico da mama é uma examinação manual efectuada por um médico ou outro profissional de saúde devidamente habilitado. Este exame pode ajudar a encontrar nódulos que a mulher não tenha detectado no seu auto-exame habitual.

Recomenda-se que as mulheres entre os 20 e os 40 anos efectuem um exame clínico da mama de 3 em 3 anos. A partir dos 40 anos, este exame deverá ser anual.

Durante um exame clínico da mama, o médico palpa as mamas em diferentes posições: enquanto está de pé, sentada e deitada. O médico pode pedir que levante os braços acima da cabeça, que os deixe caídos ou que faça força com as mãos contra as coxas.

O médico procura quaisquer diferenças entre as mamas, incluindo diferenças invulgares de tamanho ou forma. Na pele, é verificada a presença de vermelhidão, depressões cutâneas ou outros sinais anormais. Os mamilos devem ser pressionados para verificar se existe alguma secreção ou perda de líquido.

O médico poderá examinar toda a mama, usando a ponta dos dedos para sentir quaisquer alterações e/ou nódulos, a área axilar e a área da clavícula, primeiro de um lado e depois do outro (esquerdo e direito), Um nódulo apresenta, geralmente, o tamanho de uma ervilha, antes que alguém o consiga sentir ou palpar. Podem ser verificados os gânglios linfáticos perto da mama, para ver se estão inchados.

Um exame clínico completo da mama pode demorar cerca de 10 minutos a ser realizado.

Anterior | Início

Copyright AMPM 2013
Website desenvolvido por Bizzi.pt